Menu fechado

Cadeias Globais de Valor

Ementa do conteúdo

Identificação dos fatores estruturais e fluxos de investimentos que estão levando a uma crescente desindustrialização no Brasil e na Bahia, associada à lógica de produção em escala mundial, da sua divisão do trabalho em países/regiões; compreender os fatores que possibilitam a concentração de investimentos em algumas regiões e excluem outras e identificar quais as cadeias com perspectivas de serem atraídas para a Bahia.

Hipóteses

  • Forte capacidade de atração na Ásia;
  • Falta de projeto industrial no Brasil;
  • O Brasil não dispõe de ambiente capaz de atrair investimentos intensivos em tecnologia;
  • A Região Nordeste e a Bahia apresentam as piores condições para atração de investimentos industriais, em função do maior porte da Região Sul/Sudeste;
  • A questão do distanciamento entre a indústria brasileira e baiana em relação a fronteira mundial  devido a baixa produtividade da economia;
  • Aumento do gap de produtividade entre a economia brasileira e mundial;
  • Alto custo Brasil, em especial o custo do sistema tributário e de infraestrutura logística;
  • Uma indústria pouco digital e defasada tecnologicamente é uma barreira a inserção na CGV;
  • As empresas brasileiras são penalizadas pelas regras de tributação nos lucros no exterior- tributação antecipada dos lucros reinvestidos – que são únicas no mundo e tornam as empresas menos competitivas;
  • O Brasil impõe barreiras relevantes à importação de conhecimento e serviços. A tributação é superior a 46% e onera a indústria prestadora de serviços e de maior valor agregado. O Brasil perde a capacidade de ser um importante hub de prestação de serviços e reduz a competitividade da sua indústria, que consome serviços e conhecimento mais caros;
  • O significado de melhorar a inserção no comércio exterior depende de objetivos políticos, econômicos e sociais; portanto, não são consenso e exigem debate democrático e a confrontação de diferentes pontos de vista teóricos e ideológicos.

Questões

  • Dentro das suas limitações, como a Bahia pode identificar possíveis nichos que possam viabilizar a atração de investimentos em regiões baianas?
  • Quais as instâncias institucionais e suas características de equipe técnica/empresarial serão necessárias a ser estruturada?
  • A solução é se aproximar da China? Como? Diante da sua política externa de investimentos na Nova Rota da Seda?
  • A crise provocada pela pandemia de Covid-19 mostrou a fragilidade das cadeias globais do modo como foram estruturadas e provocou uma reavaliação tanto por empresas, mas, sobretudo pelos governos, da dinâmica do comércio exterior. Uma maior diversificação regional das cadeias poderá permitir ao Brasil se recolocar em uma função mais estratégica? Isso pode ser uma janela de oportunidade?
  • Com o advento da pandemia e a quebra das cadeias globais de valor é uma oportunidade para Bahia produzir produtos ligados a saúde? Isso é uma janela de oportunidade?
  • A quebra da cadeia de suprimentos no mundo e uma desorganização desse setor pode ser um caminho?
  • O aumento da transparência na administração de taxas e encargos tributários e avançar na agenda de portos, especialmente com as concessões, podem contribuir para uma inserção maior nas cadeias globais de valor?
  • Reforçar os setores de maior vantagem comparativa e competitiva é o caminho de inserção nas cadeias globais de valor?
  • As exportações do Brasil dependem cada vez mais de recursos naturais pelo fato do país não ter entrado nas CGVs. Na prática, o papel do Brasil na economia global é, principalmente, como exportador de commodities primárias ou produtos baseados em recursos naturais. Para se ter ideia, levantamento da CNI mostra que, de 2001 a 2020, a participação de soja, petróleo bruto e minérios subiu de 11% para 35% da pauta exportadora do Brasil. Uma concentração sem precedentes. Isso é importante, porém o país deixa de lado uma importante forma de integração ao comércio global. O foco no agronegócio é um fator que dificulta a inserção no em cadeias de média e alta intensidade tecnológica?
  • A celebração de acordos comerciais com países que estão no centro das CGVs é importante para facilitar a entrada do Brasil nas cadeias. Atualmente a maioria das exportações brasileiras de manufaturados se destinam a América Latina, Estados Unidos e Europa. Isso pode ser um caminho?
  • A falta de uma política industrial, os subsídios dado a indústria é um entrave à inserção a CGV?
  • O Brasil está problematicamente inserido nas cadeias de valor, principalmente como fornecedor de alimentos e matérias-primas e como mercado consumidor. Como se inserir em um ambiente de maior valor agregado?

Referências Bibiográficas

BALDWIN, R. Global supply chains: why they emerged, why they matter and where are they going. In: ELMS, D.; LOW, P. (Ed.). Global Value Chains in a Changing World. Genebra: Fung Foudation, Temasek Foudatin and World Trade Organization, 2013. p. 13 – 60.

RIFKIN, J. A terceira revolução industrial: como a nova era da informação mudou a energia, a economia e o mundo. 1. ed. Lisboa: Bertrand, 2014.

BALDWIN, R. 21th century regionalism: Filling the gap between 21th century trade and 20th century rules. Economic Research and Statistics Division, World Trade Organization, Genebra, abril 2011.

HOEKMAN, B. M.; MAVROIDIS, P. C. The World Trade Organization: law, economics, and politics. London; New York: Routledge, 2016.

OLIVEIRA, S. E. M. C. de. Cadeias globais de valor e os novos padrões de comércio internacional. Brasília: Funag, 2015.

CUNHA, L. P. O sistema comercial multilateral e os espaços de integração regional. Coimbra: Coimbra, 2003.

SUBRAMANIAN, A.; KESSLER, M. The Hyperglobalization of Trade and its future. Peterson Institute for International Economics, working paper, Washington, n. 13-6, Julho 2013.

ALLEE, T.; ELSIG, M.; LUGG, A. The Ties between the World Trade Organization and Preferential Trade Agreements: A Textual Analysis. Journal of International Economic Law, v. 20, n. 2, Junho 2017.

COSTA, T. G. D.; CARVALHO, L. C. Gestão Internacional: contextos e tendências. Lisboa: Edições Sílabo, 2016

Rodadas de discussão