Menu fechado

Sistemas Estruturantes de Logística de Transportes

Objetivo

Identificar os sistemas logísticos estruturantes prioritários para integrar a Bahia a outras regiões do Brasil e do mundo.

Justificativa

Com os processos de mundialização dos fluxos econômicos, da produção flexível e dos avanços da telecomunicação, o sistema multimodal de transporte passou a representar um fator crucial para o desenvolvimento da economia. Essas novas dinâmicas passaram a permitir uma repartição do processo produtivo em territórios distintos e distantes e têm exigido uma sólida articulação entre os mesmos para que se alcance maiores ganhos econômicos. Torna-se fundamental para os territórios, para cumprir seus objetivos de integração aos fluxos econômicos locais e globais, sólidas redes de infraestrutura de transportes e logística.

No Brasil, a especialização crescente de sua pauta exportadora em commodities tem demandando de modo cada vez mais intenso a redução dos custos logísticos e de transporte para escoamento da crescente produção. Na Bahia, a expansão da produção de grãos e minérios também tem chamado atenção para a busca por elaboração de estratégias e melhorias que, além de desenvolver a logística no estado, tornem o território baiano cada vez mais integrado aos fluxos econômicos em expansão no país, especialmente na região Centro-Oeste.

Para além de cargas agrícolas e minerais, pensar a Bahia como elemento articulador para transportar outros tipos de cargas (tais como as industrializadas) é fundamental, tendo em vista a necessidade de se apresentar vias de distribuição dessas mercadorias para as regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste do Brasil de maneira alternativa aos atuais fluxos rodoviários oriundos da região Sudeste. Nesse sentido, é fundamental o esforço prospectivo e analítico sobre as possibilidades do setor logístico e de transportes no estado para que se possa potencializar seu desenvolvimento de maneira articulada e não isolada.

Ementas

  • Identificação dos principais gargalos logísticos da Bahia.
  • Identificação das principais áreas geradoras de cargas da Bahia, suas atuais saídas de escoamento e suas pretensões futuras quanto a possíveis novas rotas.
  • Identificação dos principais investimentos previstos no Brasil que influenciam a dinâmica logística na Bahia e análise de seus impactos (concorrem ou fortalecem).
  • Identificação de projetos com potencial de transformação da logística baiana e suas necessidades para que sejam viabilizados.

Questões

  • Como a Bahia pode criar hubs / nós logísticos em determinadas regiões, associando os fluxos locais e regionais com fluxos nacionais e internacionais através de grandes redes de transportes multimodais?
  • Como internalizar a compreensão dessas estratégias como política pública e como isso pode ser difundido na sociedade, notadamente entre os partidos políticos e setores organizados dos setores empresariais?
  • Quais são os “sistemas logísticos” prioritários para alcançar o objetivo?
  • Como integrar tais sistemas?

Hipóteses

  • Caso não haja intervenção, o escoamento da produção de cargas agrícolas e minerais do Brasil deve se concentrar nos portos do Sudeste/Sul e Norte. Da mesma maneira, consolida-se a posição de São Paulo como hub nacional.
  • A localização estratégica da Bahia frente a mercados mundiais e características físicas dos portos da Baía de Todos os Santos possibilitam ao estado ser alternativa como hub logístico nacional (havendo intervenções estruturantes)
  • As articulações atualmente existentes da Argentina e Chile com a China podem levar à criação das condições para existência de um hub logístico sul americano concentrado no sul do hemisfério, favorecendo as regiões Sul e o Sudeste do Brasil, em detrimento das demais regiões.

Rodadas de discussão